SAT de reserva, por que preciso ter um?

SAT de reserva, devido a algumas dúvidas a respeito da necessidade de ter um explicamos abaixo:

Desde 07/02/2018 conforme a portaria CAT nº 8/2018 – DOE/SP, todo estabelecimento no estado de São Paulo (SP) está obrigado a possuir como contingência um equipamento SAT reserva, este pode e deve ser utilizado quando algum dos equipamentos SAT em funcionando apresentar defeito ou falha, desta forma, o estabelecimento não deixa de funcionar e enviar os cupons eletrônicos.

Para isso é necessário que o SAT esteja já ativado, pronto para instalar e funcionar.

Abaixo seguem trechos da publicação:

Artigo 25 – O contribuinte obrigado à emissão de CF-e-SAT deverá dispor de equipamentos SAT de reserva ativados para atender aos casos de contingência. (Redação dada ao artigo pela Portaria CAT-08/18, de 06-02-2018; DOE 07-02-2018)

Artigo 25 – O contribuinte obrigado à emissão de CF-e-SAT deverá dispor de equipamentos SAT de reserva para atender os casos de contingência.

Não esqueçam também que os estabelecimentos que tiveram receita bruta superior a R$ 60.000,00 em 2017, tem a obrigatoriedade de emissão do CF-e SAT a partir de 01/01/2018.

Mais detalhes no site da Fazenda SP

Qualquer dúvida a respeito ou para adquirir o equipamento SAT de reserva entre em contato conosco.

Leia Mais

O cartão do cliente não passa? Saiba o que fazer se a transação não for autorizada

Praticamente todos nós já nos vimos nessa situação: desejar um produto, pesquisar preços, ir à loja de sua preferência e, na hora de passar o cartão, o pagamento não é autorizado. Em restaurantes, o constrangimento pode ser ainda maior, já que o produto já foi consumido pelo cliente.

É justamente por sabermos como se sente quem passa por essa situação que você, enquanto gestor, precisa saber lidar bem com isso quando o cartão do cliente não passa.

E, para ajudar você a conduzir esse problema com jogo de cintura e sem riscos de prejudicar o cliente ou o próprio estabelecimento, preparamos este material com dicas e soluções para não perder a venda e nem o carinho dos seus consumidores. Acompanhe!

Antes de tudo, tenha paciência e discrição

Independentemente dos motivos que levaram à não autorização da compra, a primeira coisa que devemos ter em mente é que o consumidor provavelmente se vê em uma situação embaraçosa. Nesse momento, cabe a você e à sua equipe tentar amenizar esse desconforto.

Assim, informe ao cliente com discrição e naturalidade que o cartão foi recusado, e procure encontrar soluções junto com ele. Agindo assim, você se coloca ao lado do consumidor e causa uma excelente impressão.

Uma vez que a tensão inicial causada pela recusa do cartão foi amenizada, é hora de vermos qual a melhor maneira de reagir em cada caso particular.

Problemas com a máquina

Segundo o Código de Defesa do Consumidor, caso o cartão do cliente não passe por problemas de ordem técnica, é responsabilidade do estabelecimento encontrar outros meios de pagamento.

A fim de evitar discussões com clientes e até mesmo ações judiciais, o ideal é que se procurem alternativas que atendam a ambas as partes. No caso de restaurantes, por exemplo, em que não é possível desistir da compra, pode-se recorrer a cheques ou mesmo notas promissórias.

Caso o problema com a máquina seja mais duradouro (máquina em manutenção ou perda do sinal), o estabelecimento deve afixar um cartaz na entrada avisando que temporariamente não aceita cartões. Também é interessante informar sobre a situação de exceção aos clientes logo no início do atendimento, para não deixar margem para futuros problemas.

Saldo insuficiente

Outra possibilidade comum para que o cartão seja negado é a falta de saldo no cartão. Nesse caso, como a falta é do cliente, o estabelecimento não tem nenhuma obrigação legal: cabe ao consumidor encontrar meios de efetuar o pagamento.

Entretanto, visando a fidelização do cliente, o ideal, mais uma vez, é facilitar a situação e procurar uma solução que agrade a ambas as partes.

No caso de bares e restaurantes, vale a negociação entre as partes: ambos devem agir de boa fé. É importante ressaltar que o estabelecimento não pode reter documentos dos clientes, como CNH ou RG.

“Não aceitamos cartões”

Obviamente, estabelecimento algum é obrigado a trabalhar com cartões de crédito ou de débito. Embora a legislação obrigue as empresas apenas a informarem as formas de pagamento aceitas, é de bom tom informar também caso não trabalhe com cartões.

Esse tipo de pagamento é muito difundido e, por isso mesmo, sua não aceitação deve ser previamente comunicada para evitar surpresas.

Aproveite para conquistar o cliente

Ao tratar a situação com tranquilidade e discrição, você consegue reverter uma situação originalmente desconcertante em uma oportunidade para causar uma impressão positiva no cliente, que certamente sairá encantado com o tratamento recebido e com a forma como você e sua equipe lidam com o problema.

Contorne a situação

Como vimos, é importante estar preparado para esse tipo de situação. Para tanto, você pode seguir algumas das nossas dicas:

  • tenha um talão de recibos ou notas promissórias para quando o cliente não tiver outra forma de pagar;
  • negocie o aluguel de uma segunda máquina. Caso a primeira apresente problemas, você poderá se socorrer com a outra;
  • aceite a maior variedade de formas de pagamento possível: assim você dá opções ao seu cliente;
  • invista no treinamento do seu pessoal para que lidem com esse inconveniente da melhor maneira.

Agora que você já sabe o que fazer nos casos em que o cartão do cliente não passa, aproveite para deixar um comentário com suas dúvidas sobre como lidar com essa situação.

Leia Mais

Mesas e cadeiras para restaurante: um fator chave para a experiência do consumidor

As opções de mesas e cadeiras para restaurantes são diversas e o gestor do estabelecimento pode ficar indeciso e perdido na hora de fazer suas escolhas. Mas a especialista em móveis para restaurantes, Franco Bachot, explica tudo para você neste post!

Redonda, quadrada, retangular, moderna, tradicional, rústica, pequena ou média? As opções de mesas e cadeiras para restaurantes são diversas, e o gestor do estabelecimento pode ficar indeciso e perdido na hora de fazer suas escolhas.

Atualmente, os clientes estão cada vez mais exigentes e procuram muito mais do que uma comida saborosa: eles buscam por uma experiência de valor. Muito além da refeição, eles valorizam locais com atendimento de excelência, rapidez, música ambiente, cardápios diversificados, decoração, preço compatível com a proposta do local e conforto.

Afinal, vamos a restaurantes não apenas para nos alimentar, mas, também, para socializar com as pessoas. Você já teve a experiência de estar almoçando e o cotovelo do colega ao lado te importunar? Ou estar em um restaurante superbonito, mas o tamanho do assento da cadeira ser tão pequeno que você não se sente bem?

O conforto proporcionado aos clientes faz toda a diferença e, certamente, influenciará na escolha deles de onde ir.

Ficou curioso em saber como escolher mesas e cadeiras para restaurante e proporcionar para os visitantes uma experiência marcante? Continue acompanhando o post e confira!

Mesas e cadeiras: visão geral

Muito além da preocupação com a parte estética, as mesas e cadeiras precisam oferecer conforto e segurança para o cliente, além de praticidade para o manejo dos funcionários e durabilidade, para valorizar o seu investimento.

É fundamental que a escolha desses itens seja feita com base em móveis específicos para restaurantes e bares, que tenham a capacidade de lidar com o desgaste diário — mantendo-se bonitos e utilizáveis. Se você investir em móveis não profissionais, poderá até economizar no curto prazo, mas o tempo de utilização será tão menor e você terá que comprá-los novamente muito antes do planejado.

Ao escolher os móveis para a concepção do lugar, esteja atento aos tipos de materiais de que são fabricados: eles devem possibilitar fácil manejo e facilitar a limpeza. Invista em estofados de tecidos que valorizem o espaço.

Estilo

A escolha do estilo das mesas e cadeiras para restaurante dependerá da identidade visual da sua marca: ele deve estar alinhado com a decoração e a proposta do restaurante.

Mesas e cadeiras portáteis oferecem flexibilidade e facilidade ao redesenhar o ambiente, podendo ser organizadas de diversas maneiras para acomodar diferentes eventos. Além disso, caso precise fazer uma reforma no local, esse tipo de móvel é bastante prático.

As fixas, por sua vez, presas à parede ou ao chão, podem ser eficientes em termos de aproveitamento de espaço e mantém a organização de espaços muito movimentados.

Regulamentação

Antes de iniciar com as ideias de design do salão do restaurante, é preciso analisar como essa sala é: única ou dividida em pequenos ambientes? Verifique se existem de leis locais que determinem  algum requisito quanto a metragem por cliente, capacidade do espaço, assim como as medidas de corredores.

Importante entrar em contato com o Corpo de Bombeiros local e a Vigilância Sanitária, para colher informações sobre essas normas. A escolha de mesas e cadeiras será influenciada pela quantidade de lugares permitida para o local.

Após analisar a regulamentação, defina o tamanho da área (em metros quadrados) será reservada por cliente, e lembre-se sempre da circulação. Essa análise será o ponto de partida para o planejamento do layout.

Não se esqueça de prever um espaço entre as mesas e de pensar em locais amplos que possam acomodar as cadeiras de roda e os carrinhos de bebê.

Importante também analisar as necessidades do próprio estabelecimento. Por exemplo, restaurantes requintados podem precisar de um espaço para estacionar carrinhos de refeição. A ideia é que os movimentos na sala de jantar sejam feitos de maneira fácil e fluida, sem barreiras.

Formato

O formato do mobília do restaurante influencia diretamente na experiência gastronômica dos seus clientes.

Mesas redondas são um convite para conversação e sociabilidade; as quadradas ou retangulares, por sua vez, são eficientes em termos de aproveitamento de espaço.

É necessário analisar o tamanho das bandejas e outros recipientes em que serão servidos os alimentos. As mesas devem ter um tamanho que possibilite aos clientes acomodar os utensílios confortavelmente.

Alguns estabelecimentos optam por oferecer mesas para duas pessoas, que são ótimas opções para casais — e evitam, assim, assentos vazios em mesas para quatro pessoas. As menores são ótimas também pela flexibilidade que proporcionam: podem ser acopladas em outras maiores ou servir como suporte para acomodar bandejas, por exemplo.

Cuidados com o cliente

Coloque-se no lugar do seu cliente! Sente-se em todos os lugares disponíveis para prever as possíveis reclamações e reveja o conforto que a mesa e a cadeira proporcionam.

Observe com os olhos de quem estará lá: será que de todos os lugares, é possível ser visto pelo garçom? Será que formam-se grupos de funcionários em torno de algum local? Observe, tenha empatia e conquiste clientes.

Ao perceber questões como essas, você poderá rever o design da sala de jantar e minimizar possíveis reclamações. Esteja atento!

Ao estudar como o seu cliente deseja se sentir em seu restaurante, você pode entender quais são as expectativas dele e o que ele deseja ao escolher o seu estabelecimento: seu empreendimento é um local para qual público? Precisa de mesas grandes? É descontraído ou um ambiente para negócios? Esses pontos devem ser levados em consideração e lhe ajudarão a compreender qual a estrutura necessária para fidelizar clientes.

No momento da escolha e da compra de mesas e cadeiras para restaurante, é preciso levar em conta a funcionalidade, resistência, durabilidade e estilo.

Além do mais, é importante estabelecer uma experiência afetiva com o cliente por meio de itens como: personalização, mobílias, decoração e outros detalhes. Essas especificidades permitirão que o público crie simpatia e identificação com o seu restaurante.

Lembre-se sempre: muito mais do que “matar a fome”, o seu restaurante proporciona uma experiência. Sendo assim, agregue valor: invista sempre em atendimento rápido e eficaz, na facilidade de se fazer os pedidos, tenha um menu personalizado e uma equipe rápida, crie programas de fidelidade e torne possível que clientes te deem feedback.

Essas dicas de como escolher mesas e cadeiras para restaurantes lhe foram úteis? Então siga a Franco Bachot no Facebook, Instagram e LinkedIn!

 

Leia Mais

Gestão de negócios: 5 erros que podem quebrar uma empresa

O sucesso da gestão de negócios está nos detalhes. Uma empresa não quebra por causa de um único erro, mas por uma sucessão de deslizes que são aparentemente simples de serem resolvidos ou que não têm consequências imediatas.

Para que você não passe por esse problema que pode arruinar seu negócio, apresentamos a seguir 5 erros que quebram uma empresa, e também dicas de como evitar que isso aconteça. Confira!

1. Não possuir uma plano de negócio

Este é um dos erros que podem quebrar a empresa em pouco tempo. Quando você tem uma empresa e não cria um plano de negócio, você não consegue prever as melhores oportunidades nem se preparar para eventuais imprevistos.

O plano de negócio é um recurso indispensável para o conhecimento de todas as etapas de seu negócio. Ele deve incluir seus objetivos, as informações sobre o produto ou serviço que você oferece, os fornecedores, o capital disponível e as metas em curto, médio e longo prazo.

Ao finalizar esse plano, você terá as informações necessárias para estabelecer metas e gerar mais lucro para o seu negócio.

2. Não ter controle financeiro

Gestão de negócios que não considera o controle das finanças pode quebrar a empresa. Afinal, como garantir o funcionamento do negócio sem ter assegurados os recursos necessários?

Tenha um documento para o controle de todas as movimentações financeiras de sua empresa: contas a pagar e receber, despesas com salários, capital de giro. São essas informações que permitem a você identificar a real situação do negócio e repensar as estratégias, caso perceba que o patrimônio da empresa está ameaçado.

E nada de misturar as finanças pessoais com as do seu negócio. Nunca use o caixa particular para pagar despesas da empresa e vice-versa. Caso você perceba que tem cometido esse erro, recalcule os seus gastos.

3. Não prezar pelo bom atendimento ao cliente

Outro erro comum: caprichar na gestão de negócios apenas nos processos internos da empresa e esquecer do atendimento ao cliente.

O bom relacionamento com os consumidores é um investimento fundamental para a garantia de sucesso do seu negócio. Esteja aberto às críticas e sugestões que eles têm a oferecer, crie promoções, etc. A proposta aqui é melhorar a experiência do cliente, pois, quanto melhor o atendimento, maiores as chances de fidelização desse cliente.

4. Não dispor de profissionais qualificados para a função

Os erros nos processos administrativos são difíceis de identificar em um primeiro momento, mas podem causar danos irreparáveis ao negócio. Evite essa falha logo no início. Independentemente da atividade de sua empresa, é fundamental que você tenha à disposição profissionais qualificados para o exercício das funções.

Vale lembrar ainda que os processos mudam ao longo do tempo, e é necessário investir para deixar a equipe mais eficiente. Mais motivado, o time reconhece esse investimento e retribui com um trabalho de maior qualidade.

No caso de familiares e amigos, não cometa o erro de oferecer uma oportunidade de trabalho se eles não possuírem experiência no cargo ocupado. Exija deles o mesmo comprometimento que você cobra dos outros profissionais.

5. Não estar aberto às mudanças

Não existe um único jeito de fazer gestão de negócios. Porém, muitos empresários acabam insistindo na mesma estratégia, apesar de ela não parecer mais tão eficiente quanto no início. Essa inflexibilidade pode custar caro e até mesmo quebrar a empresa.

Esteja aberto às mudanças que podem otimizar os resultados e recorra à ajuda profissional sempre que você sentir necessidade de aconselhamento. A responsabilidade de gerir um negócio não é uma tarefa simples, e você não precisa cuidar de tudo sozinho.

Gostou das nossas dicas para evitar os erros de gestão de negócios que podem quebrar sua empresa? Já passou por um desses problemas? Como conseguiu resolver a situação? Participe dessa conversa aqui nos comentários!

Leia Mais

Valet Park: devo implementar esse serviço no meu restaurante?

A dificuldade para estacionar em lugares movimentados faz com que muitas pessoas pensem 2 vezes antes de escolher o restaurante onde vão jantar. Mas saiba que, se seu estabelecimento identificou esse problema, ele pode contar com o serviço de valet park.

Quer saber mais sobre o tema? Então continue lendo este post e confira os cuidados necessários para implementar esse serviço no seu restaurante e cativar ainda mais seus clientes.

O que é o serviço de valet park e como ele funciona?

Chamamos de valet o serviço de manobrista, que é tradicionalmente oferecido em restaurantes, shoppings, aeroportos, entre outros estabelecimentos.

Explicando de forma sucinta, o valet park possui uma operação simples, embora ágil. Os manobristas ficam no local mais próximo da entrada do estabelecimento, geralmente sob um toldo ou próximo a um indicador do serviço.

Então, o cliente que deseja contratar o serviço entrega suas chaves ao manobrista que estiver disponível e recebe um comprovante. Esse documento deve ser entregue no momento da saída, para que o condutor possa receber o veículo de volta.

Os serviços de valet costumam cobrar uma taxa fixa, que é adicionada à taxa do estacionamento, se houver. O serviço do valet pode ser pago no momento da retirada do veículo ou, em alguns restaurantes, dentro do estabelecimento, com a conta.

Quais são as vantagens de oferecer o valet park?

A principal vantagem de dispor de um serviço de valet park em seu restaurante, obviamente, é oferecer ainda mais conforto e segurança aos seus clientes. Lembre-se de que, em regiões com escassez de vagas, a presença de um serviço de manobrista pode ser decisiva na escolha pela sua casa.

Além disso, o serviço de valet oferece a oportunidade de prestar um atendimento de qualidade antes mesmo que o cliente entre no restaurante. Para isso, os profissionais precisam receber treinamento adequado, a fim de realizarem um atendimento que seja ao mesmo tempo gentil e extremamente ágil.

Quais são os cuidados necessários para oferecer o serviço?

Como tudo o que envolve a guarda de propriedades de terceiros, existem alguns cuidados que devem ser observados ao oferecer o serviço de manobrista. Isso porque, segundo entendimento do STJ, quaisquer danos ou sinistros causados ao veículo durante sua guarda são de responsabilidade da empresa prestadora.

Além de zelar pelo veículo de seu cliente, a legislação também orienta o seguinte:

  • informar ao cliente o valor do serviço, o endereço do estacionamento e o valor do seguro;
  • não estacionar o veículo em vias públicas;
  • entregar ao cliente um recibo indicando o recebimento e a devolução do veículo, no qual constem o nome da empresa com CNPJ, dia e horário do recebimento e da entrega do veículo, a placa do veículo e o local do estacionamento.

Como podemos ver, embora o serviço de valet seja aparentemente simples, é preciso estar atento às exigências que rege a lei.

E você, costuma usar o serviço de valet park quando vai aos seus restaurantes favoritos? Como foi sua experiência ao contratar um valet? Em que pontos você acredita que o serviço pode melhorar? Compartilhe sua experiência!

Para receber mais conteúdos exclusivos como este, assine nossa newsletter!

Leia Mais

7 táticas sobre como informatizar o seu restaurante

Informatizar seu restaurante tem se tornado peça fundamental na gestão. As facilidades são impressionantes e aqueles que insistem em não prestar atenção nessa revolução tecnológica tendem a estagnarem no tempo — e nos negócios. As empresas que não se adaptam para incluir em seus processos as novas ferramentas encontram ainda mais dificuldade para enfrentar a concorrência do mercado.

Ter esse cuidado com o seu restaurante também é especialmente importante. Contar com um sistema informatizado permite mais facilidade e condições para reunir todas as informações diárias do estabelecimento, tais como fluxo de caixa, cadastro de fornecedores e clientes, controle de estoque e registro de funcionários. Tantos benefícios exigem cuidados igualmente numerosos no momento da escolha das tecnologias a serem aplicadas.

No entanto, apesar de muitos empreendedores já conhecerem essa necessidade de atualizar sua gestão, a maioria ainda possui dificuldades em modernizar seus negócios.

Para aqueles que querem saber como informatizar seu restaurante, nós preparamos algumas dicas para serem aplicadas durante este processo, com métodos que tornarão a rotina empresarial mais eficiente. Confira!

Por que investir na informatização do meu restaurante?

Como muitos restaurantes e demais negócios de alimentos e bebidas ainda são familiares ou relativamente jovens, é comum que o empreendedor pense que informatizar seu restaurante é um gasto desnecessário.

É preciso ter em mente que, mesmo em um ambiente onde se usa muita mão de obra braçal, como um restaurante, o uso inteligente da tecnologia pode trazer muitos benefícios.

Algumas das vantagens obtidas com a instalação de um software de gestão em seu restaurante são:

  • maior agilidade: com o fim do uso de pedaços de papel, garçons e equipe de cozinha podem se organizar melhor. Além disso, sem a necessidade de ir o tempo todo à cozinha deixar as comandas, os garçons ficam mais livres para atender os clientes;
  • estoque controlado: um controle de estoque digital facilita toda a sua dinâmica de compras, além de permitir que você veja quais itens estão parados no estoque, cotações recentes, produtos próximos ao vencimento etc;
  • delivery mais organizado: se seu restaurante trabalha com serviço de entregas, um sistema informatizado vai agilizar o atendimento aos clientes, além de controlar os tempos de saída dos produtos e o tempo de entrega;
  • armazenamento na nuvem: com uma ferramenta de armazenamento na nuvem, você poderá acessar os dados do seu restaurante, em tempo real, em qualquer lugar do mundo por um computador ou mesmo pelo seu celular.

Como vimos, informatizar seu restaurante pode trazer vantagens competitivas para seu negócio frente à concorrência, ajudando você a eliminar custos e se antecipar às necessidades dos clientes.

Agora, confira algumas dicas para implementar as melhores ferramentas de tecnologia no seu negócio.

Como informatizar o restaurante?

1. Invista em um software de gestão

Os editores de texto e planilhas facilitam o trabalho de um gestor, mas ainda não atendem a todas as necessidades de um restaurante. Sistemas de cadastro de clientes e funcionários; controle de fluxo de caixa; monitoramento de estoque; relacionamento com fornecedores e outras funcionalidades são itens muito importantes mas que não são disponibilizados nos editores.

A boa notícia é que já existem no mercado softwares de gestão que permitem o amplo controle do negócio, sendo grandes aliados de empresários que buscam maior eficiência. As informações estratégicas podem ser reunidas em um mesmo ambiente e compartilhadas facilmente com os colaboradores da empresa.

2. Atente-se às novidades do mercado

Para informatizar seu restaurante, você deve observar atentamente quais tecnologias aplicar no seu negócio. Frequentemente, alguma opção pode parecer extremamente promissora, porém, trata-se de uma solução já antiga ou que tem prazo de validade próximo da expiração.

Entre os principais problemas desses casos, destacam-se a provável perda de uma assistência e manutenção técnica especializada e, portanto, a baixa qualidade do serviço empregado.

Por isso, ao escolher o seu software de gestão, observe os seguintes pontos:

  • cadastro de mercadoria, fornecedores e clientes;
  • inspeção, monitoramento, controle de estoque físico (validades e quantidades) e financeiro (custos);
  • gerenciamento financeiro (fluxo de caixa, despesas com funcionários, manutenção e divulgação) e demonstrativo de resultados diários, semanais, quinzenais, mensais e sazonais.

É essencial que os itens acima sejam cobertos pelo aplicativo ou software escolhido pois, dessa maneira, você poderá ter uma gestão muito mais precisa e eficiente no seu restaurante. Com poucos itens, será possível, por exemplo, monitorar o desempenho e custos referentes a cada funcionário, área de investimento (como publicidade e decoração) e itens da sua despensa.

Logo, você terá a chance de reduzir custos, otimizar investimentos e, consequentemente, prosperar; sem que seja necessário dispender de novos grandes investimentos.

Portanto, priorize as soluções tecnológicas que ofereçam consultorias, treinamentos ou aulas sobre o manuseio de suas funcionalidades. Afinal, saber utilizar todas as possibilidades de um software é um requisito básico para que o investimento traga retorno. Isso inclui todos que trabalham no local — desde recepcionistas, caixas e garçons até os administradores e equipe responsável pelo marketing do restaurante.

3. Verifique o suporte fornecido pela tecnologia escolhida

Tecnologias obsoletas, além de deixarem a desejar, geralmente não oferecem um suporte técnico eficiente — ou sequer oferecem algum. Mas não se deixe enganar: um bom suporte vai muito além da manutenção e correção de eventuais falhas.

Para que a tecnologia empregada realmente seja capaz de potencializar todos os seus resultados, ela deve, antes de mais nada, ser passível de manejo por todos na sua equipe. Em outras palavras: todos no seu restaurante devem ser capazes de manusear as partes dos processos que lhe dizem respeito.

Garçons devem saber utilizar os equipamentos que serão destinados para que eles consigam reunir e transmitir, da maneira mais ágil possível, todas as informações e solicitações do cliente. Cozinheiros e chefs devem observar as informações que a tecnologia poderá facilitar, os prazos de validade e abastecimento de mercadorias. Gestores deverão avaliar os dados e métricas apresentados de cada setor para que desenvolvam técnicas gerenciais mais eficientes, dentre outros.

4. Seja inovador no uso da tecnologia

Utilizar os recursos tecnológicos em diferentes áreas do restaurante é uma saída estratégica que facilita toda a cadeia de produção. Smartphones ou tablets são usados, por exemplo, por garçons para anotar pedidos. E essas informações são disponibilizadas em rede acessível para os outros colaboradores.

Com esses recursos, os garçons não precisam sair correndo entre as mesas para anotar pedidos, levar as informações para a cozinha, buscar os pratos e servir os clientes. A tecnologia ajuda a informação a circular com mais facilidade e o garçom passa a ser um atendente que pode focar na relação com os clientes no salão — o que poderá ser constantemente avaliado de modo a desenvolver estratégias cada vez mais eficazes.

5. Aposte na automação

Não só de panelas fumegantes é feita uma cozinha. A automação de um restaurante também deve acontecer ali, pois não basta colocar um smartphone ou um tablet na mão de um garçom para que a informação chegue até esse local. Por isso, é importante disponibilizar impressoras e ou displays de pedidos nas cozinhas. Assim, cada pedido feito é impresso e chega rapidamente às mãos dos cozinheiros.

Esse tipo de tecnologia permite a economia de tempo do garçom, que não fica correndo pelo restaurante com pedidos, as solicitações chegam com agilidade à cozinha e os pratos saem mais rápido, dentre outros ganhos. Além disso, os pratos podem ser encaminhados para as mesas por outros profissionais que não sejam os garçons, liberando-os para focar no atendimento aos clientes.

6. Crie boas experiências para os seus clientes

A agilidade no registro e entrega de pedidos contribui para a melhora da experiência dos clientes em um restaurante, mas é possível tornar esses momentos ainda mais agradáveis. Cardápios digitais podem ser consultados para facilitar a escolha dos pratos — e não apenas com informações textuais, mas também com fotos e dicas de harmonização.

A tecnologia também auxilia a forma de pagamento. As informações geradas pelos garçons por meio dos dispositivos móveis também são enviadas para o caixa, que gera a conta e os cupons fiscais — o cliente paga a conta com mais facilidade e o controle de caixa é mais eficiente.

7. Priorize o planejamento estratégico

O aplicativo escolhido para informatizar o seu restaurante pode ser genérico ou especializado — enquanto o primeiro dispõe de funcionalidades mais gerais e que podem ser aplicadas para diversos tipos de negócios, o segundo apresenta soluções mais específicas para um determinado ramo.

A vantagem dos genéricos são os preços mais baixos. No entanto, a eficácia deles não abrange particularidades e necessidades específicas para um restaurante e, consequentemente, dificilmente apresentará taxas de retorno sobre o investimento que sejam comparáveis com os especializados.

Sistemas de automação ainda geram uma quantidade de informações que podem ser usadas para o planejamento das estratégias de um restaurante. Como neles é possível criar um controle sobre as compras necessárias, contas a pagar, monitoramento do estoque, entre outras informações, fica muito mais simples montar cardápios, criar promoções, formatar programas de incentivo aos funcionários e, até mesmo, fazer o controle de ponto.

Uma série de informações fundamentais para as tomadas de decisões estratégicas — e que requerem um cuidado dobrado no momento da escolha da solução a ser empregada.

Como escolher o melhor sistema para meu restaurante?

Agora que você já entende a importância de informatizar seu restaurante, fica a pergunta: como posso escolher a melhor solução para meu negócio? Para ajudar você a responder essa pergunta, listamos os principais pontos que devem ser levados em consideração na hora de contratar um software de gestão.

Perfil do restaurante

Antes de mais nada, é preciso traçar um perfil da sua casa: qual seu tipo de atendimento? Qual o estilo de comida? Qual o foco da sua operação? Essas perguntas ajudarão você a saber qual ferramenta é a mais adequada ao seu caso.

Necessidades

Quais as necessidades diárias da sua operação? O que pode ser melhorado imediatamente? Aqui, conhecer bem seus processos é fundamental.

Custo benefício

Nem sempre os produtos mais caros do mercado são os que entregam os melhores resultados, então, faça uma boa pesquisa.

Prazo de retorno

Como qualquer investimento, a contratação de um software de gestão só faz sentido se trouxer lucros mensuráveis para seu negócio. Procure determinar, antes de fechar o contrato, em quanto tempo a tecnologia lhe dará retorno financeiro.

Suporte e manutenção

Sabemos que restaurantes não costumam operar em horários convencionais, e você não pode correr o risco de ficar sem assistência técnica sábado à noite. Procure soluções que ofereçam suporte rápido 24 horas por dia, 7 dias por semana.

Apenas depois de checar todos esses itens você pode saber se a solução de software que está cotando é a mais indicada para suas necessidades atuais.

Agora que você já sabe tudo sobre como e por que informatizar seu restaurante, baixe nosso e-book gratuito e conheça também as vantagens que um bom software de gestão pode trazer para seu negócio!

E assine nossa newsletter para receber mais novidades sobre gestão:


Leia Mais

Veja os indicadores que sua empresa precisa acompanhar

Acompanhar os resultados é uma das principais atividades desempenhadas pelos gestores em uma organização. Com a ajuda dos KPIs (Key Performance Indicators) ou indicadores chave de performance, em português, é possível medir o desempenho organizacional, identificar falhas nos processos e descobrir oportunidades de melhorias.

O problema é que, muitas vezes, os gestores não sabem exatamente o que medir e acabam se perdendo diante de tantos indicadores. Para economizar tempo, o primeiro passo será compreender os objetivos da empresa para saber quais informações serão mais importantes de serem obtidas na medição.

Pensando nisso, desenvolvemos um post com algumas dicas de gestão baseadas nos principais indicadores de performance utilizados pelas grandes empresas do mundo todo. Confira!

1. Indicadores de produtividade

Os indicadores de produtividade são comumente utilizados para medir o volume atual de produção gerado por máquina/colaborador considerando o tempo para a execução do processo completo ou das etapas envolvidas nele.

Ele é um importante indicador de desperdícios de recursos e ajuda os gestores a encontrarem soluções de otimização no setor.

2. Indicadores de qualidade

Em parceria com os indicadores de produtividade, os indicadores de qualidade medem o resultado final da produção. Seja um produto, seja um serviço, o seu estado é avaliado para que a entrega atenda às exigências do mercado em relação às funcionalidades, à durabilidade e a outros quesitos que devem ser cumpridos.

O número de avarias, por exemplo, é um indicador que pode representar se a produção está satisfatória ou com desvios além do aceitável. Esse indicador pode ajudar a empresa a construir uma boa imagem e a ganhar um diferencial competitivo forte diante da concorrência.

3. Indicadores de capacidade

Se a sua empresa possui um plano de desenvolvimento sustentável, aqui vai uma das principais dicas de gestão. Use um indicador de capacidade para saber se o nível de produção atual tem espaço e condições para crescer ao longo do tempo.

Um exemplo é medir quantos produtos ou serviços são entregues por um determinado período de tempo pelas máquinas e/ou colaboradores considerando o potencial máximo que podem atingir.

4. Indicadores estratégicos

Os indicadores estratégicos são capazes de medir o estado atual da empresa comparado com o planejamento feito inicialmente. Ou seja, eles demonstram se os objetivos traçados serão alcançados antes ou depois do planejado e se a situação atual representa o que realmente deveria ser.

Esses indicadores são muito importantes para corrigir desvios nas estratégias e para manter o negócio no rumo do crescimento.

5. Indicadores financeiros

A saúde financeira da empresa é um dos quesitos mais importantes que os gestores devem avaliar, já que, sem recursos, o funcionamento do negócio pode ficar comprometido. Veja os principais indicadores financeiros que os gestores precisam utilizar:

  • Taxa de lucratividade;
  • Valor do ticket médio por cliente;
  • Taxa de inadimplência dos clientes;
  • Nível de endividamento da empresa.

Todos esses indicadores utilizados conjuntamente podem aumentar o potencial de gestão do negócio. Porém, é necessário contar com uma ferramenta de apoio como um software de gestão para auxiliar o gestor a agregar mais eficiência operacional e estratégica por meio da automatização de tarefas.

Além da economia de tempo, um software de gestão pode fornecer informações mais precisas e ajudar o gestor a direcionar o foco dos esforços para onde realmente é necessário.

E você? Como mede os resultados da sua empresa? Conta para a gente nos comentários!

Leia Mais

Novo eBook: Big data – Como os dados podem aumentar o lucro do seu negócio

Saiba como a tecnologia big data pode colocar sua empresa à frente da concorrência através de uma boa estratégia de análise e uso dos dados.

Vivemos um momento único na história da humanidade, em que avanços tecnológicos revolucionam desde atividades domésticas triviais, como lavar louça ou dirigir, até a atuação de grandes empresas, por meio da análise de Big Data.

E muitas vezes o segredo para o seu sucesso pode estar camuflado dentro das informações de sua própria empresa! Por isso, preparamos um guia para te ajudar a desvendar o caminho dos dados e otimizar sua performance com a ajuda do big data.

Ao longo deste guia, você conhecerá essa tecnologia que está revolucionando a atuação de pequenas, médias e grandes empresas, entendendo o que é, de fato, a análise de dados e como você pode colocar sua empresa à frente da concorrência, conhecendo profundamente a mente e as expectativas de seus clientes.

É só fazer o download gratuito no link a seguir:

big data

Leia Mais

9 dicas para reduzir os custos sem perder a qualidade no seu restaurante

Reduzir os custos e melhorar a qualidade dos serviços em restaurantes é um desafio para empresários do setor. Diante da recessão na economia, é mais que necessário investir em alternativas que, ao mesmo tempo, atraiam novos clientes e fidelizem os frequentadores de sempre.

Na verdade, tudo que se faça tendo como objetivo o aumento nas receitas passa por um planejamento e acompanhamento minucioso das atividades. Essa orientação vale não só para momentos de economia estagnada, mas também para os períodos de alta nos negócios.

Quer saber como fazer? Continue a leitura e veja como tornar seu empreendimento mais eficiente, gastando o mínimo possível.

1. Avalie as contas

As despesas com concessionárias representam uma fatia expressiva do que é destinado a cobrir os custos operacionais em restaurantes. Embora sejam elencadas como despesas fixas, é possível, com ações simples, reduzir o percentual que elas abocanham do faturamento.

Algumas dessas medidas são:

  • fechar a torneira enquanto usar detergente na higienização de louças;
  • desligar aparelhos quando eles não estiverem sendo usados;
  • apagar a luz de ambientes desocupados;
  • trocar as lâmpadas por outras mais eficientes;
  • investir em endomarketing — cartazes, e-mails e mensagens via WhatsApp, alertando para as boas práticas nas dependências do restaurante.

Verifique também a possibilidade de instalar um sistema de energia fotovoltaica em seu estabelecimento. Os investimentos iniciais serão compensados no futuro, já que a energia é fornecida pela sempre abundante luz solar, que ilumina o Brasil de janeiro a janeiro.

Até mesmo em dias nublados e chuvosos, é possível aproveitar o Sol como matriz energética. A vantagem é que o excedente pode ser redirecionado para a rede de distribuição convencional, e a economia para seu restaurante pode chegar a 85%.

2. Renegocie com fornecedores

Verifique com seus fornecedores a possibilidade de renegociar preços. Acompanhe os reajustes e estude criteriosamente formas de fazer propostas vantajosas para ambas as partes. Embora a primeira medida seja reduzir a margem de lucro, é possível obter preços menores, por exemplo, comprando em quantidades maiores. Nesse caso, você deverá ter atenção ao prazo de validade dos alimentos e insumos.

Se for preciso, avalie se vale a pena continuar com seus atuais fornecedores. Uma cotação de preços no mercado pode revelar uma nova cadeia de distribuição até então desconhecida. Dependendo de onde seu restaurante esteja localizado, optar por fornecedores de outros estados pode ser uma alternativa.

Nesse caso, você poderá aproveitar para oferecer a seus clientes pratos com ingredientes pouco explorados em sua região. Além disso, há casos em que a cobrança de ICMS-ST — Substituição Tributária — pode ser vantajosa para quem fornece. Converse com seu contador a respeito disso!

3. Reduza o desperdício de alimentos

Gerenciar bem o estoque é essencial para reduzir os custos do seu restaurante. Analise a quantidade de alimentos comprados, a frequência com que são utilizados na cozinha, quanto é jogado fora e em quais situações. Assim, você se certifica sobre a real demanda de consumo dos insumos e produtos que está adquirindo.

Um sistema de gestão especialmente projetado para restaurantes pode ajudá-lo nessa missão, já que possibilita acompanhar o consumo dos alimentos e o volume de vendas.

Instrua a sua equipe sobre a gravidade do desperdício de alimentos. Afinal, além de ser uma prática dispendiosa, ela também prejudica a reputação do restaurante. A sustentabilidade é um conceito que veio para ficar no mundo dos negócios, e quem não se adaptar tende a ficar malvisto no mercado.

Banco de Alimentos, por exemplo, é uma ONG que auxilia instituições na redução do desperdício e no combate à fome, oferecendo uma série de workshops e palestras para quem quer aproveitar os alimentos de maneira integral. Apoiando instituições sem fins lucrativos, você também aproveita e desenvolve marketing institucional para seu empreendimento.

4. Faça manutenções preventivas

Freezers, geladeiras, fogões, processadores de alimentos e outros equipamentos de cozinha exigem cuidados em relação à segurança. Nesse aspecto, a primeira providência é verificar se todos os eletrodomésticos têm o selo de eficiência energética, concedido pelo Inmetro.

Além dos equipamentos, uma inspeção na própria rede elétrica do estabelecimento pode revelar possíveis fontes de desperdício. Um problema que pode elevar o consumo de energia elétrica é a fuga de corrente, que ocorre em função de problemas nas instalações ou fiação com isolamento deficiente.

Uma maneira bem simples de verificar se há fuga de corrente é desligar todos os aparelhos das tomadas e apagar as luzes. Com uma lanterna, verifique se o seu medidor de energia continua girando. Se sim, há algum tipo de fuga.

No entanto, você precisará identificar a origem da fuga de corrente. Desligue a chave geral e, em seguida, faça a mesma verificação no medidor. Se ele tiver parado de girar, o problema é da sua instalação. Acione o eletricista o mais rápido possível. Entretanto, se o medidor continua a funcionar, o defeito está no aparelho. Faça contato com a concessionária de energia e providencie sua troca.

Outro item importante e que deve ter a manutenção sempre em dia é o extintor de incêndio. Além da segurança que representa, não estar com suas inspeções em dia ou deixá-lo fora da validade pode gerar multas para seu restaurante.

5. Faça parcerias com outros estabelecimentos e sites

Realizar parceria com outros estabelecimentos do segmento alimentício pode garantir a compra de alimentos e insumos a preços mais baixos.

Você pode montar um grupo de compras com outros empresários da sua região ou de outras localidades. Comprando mantimentos em maiores volumes, abrem-se mais possibilidades de negociação, ou seja, aumenta o seu poder de barganha.

Além das parcerias, considere cadastrar seu restaurante em sites e aplicativos de descontos e compras coletivas. É provável que seu estabelecimento já esteja cadastrado em pelo menos um, mas existem outros que podem ser igualmente interessantes. Os principais são:

  • Cuponeria;
  • Mobo;
  • Grubster;
  • Pedida de Hoje.

6. Analise minuciosamente os contratos antes de assiná-los

É comum que muitos fornecedores ou empresas que prestam serviços incluam cláusulas nos contratos dando prioridade no momento da renovação ou até mesmo com renovação automática.

Tome cuidado ao assinar contratos assim. Pense que algo que é vantajoso hoje pode não ser a melhor opção em médio e longo prazo.

Por isso, sempre leia e releia atentamente todas as cláusulas de um contrato antes de assiná-lo. E, no caso de não concordar com alguma delas ou achar que não é vantajosa para você, não hesite e solicite alterações imediatamente.

Priorize seu planejamento estratégico e avalie se aquele contrato de exclusividade não seria prejudicial ao seu crescimento no futuro.

7. Controle suas finanças com apoio do contador

Foi-se o tempo em que o contador se limitava apenas a apurar impostos a pagar e fazer balanços patrimoniais. Hoje, as empresas de sucesso sabem que esse é o profissional mais indicado para lidar com questões estratégicas. Se você planeja expandir, deverá primeiro recorrer ao contador para avaliar sua capacidade financeira.

O mesmo vale para momentos em que a corda começa a apertar. A contabilidade é o setor que deve ser consultado, para estudar medidas de contenção de gastos, aprimorar o controle de fluxo de caixa ou recorrer a empréstimos junto a instituições financeiras.

Contudo, tão importante quanto ter no contador um apoio consultivo, é manter o controle permanente do que entra e sai de recursos financeiros em sua empresa. Dessa forma, você estará adotando uma postura preditiva, evitando a asfixia financeira, enquanto aprimora os mecanismos de gestão.

8. Adote o uso de softwares de gestão e automação

O uso de softwares de gestão e automação pode auxiliar a reduzir os custos, pois eles apontam em tempo real quais itens estão com giro baixo. Manter esses produtos em estoque aumenta o custo, em função do espaço ocupado e da iminência de perda por causa do esgotamento do prazo de validade.

Uma solução em ERP com frente de caixa PDV integrada garante controle sobre estoque, pagamentos e toda a retaguarda. O melhor de tudo é que esses softwares podem ser projetados de acordo com a realidade do seu negócio.

A adoção de sistemas de pedido com smartphones pelos garçons também é uma forma de garantir mais agilidade e redução de erros na produção causados por pedidos equivocados, assim como os cardápios digitais interativos, em que o próprio cliente realiza seu pedido, reduzem o ruído na comunicação. Essa eficiência é garantida pelo número menor de colaboradores envolvidos no processo.

 

 

9. Invista em marketing digital

Ações de marketing digital são o meio mais rápido e econômico de fidelizar e atrair novos clientes para o seu estabelecimento. Você pode utilizar as redes sociais junto a estratégias de marketing de conteúdo. Afinal, não se pode ignorar que:

Outro dado que não se pode desprezar é que a internet é, hoje, a mídia de referência. Não por acaso, o Google é a marca mais influente entre os brasileiros, e isso se deve à eficiência dos seus motores de busca.

As pessoas buscam no site por todo tipo de informação, o que inclui o restaurante em que elas podem fazer suas refeições ou passar bons momentos entre amigos e familiares. Esteja presente na internet, ofereça um serviço diferenciado e veja que é possível reduzir os custos e aumentar sua lucratividade.

E já que o assunto de hoje é a redução de custos, que tal aprofundar-se ainda mais no assunto, acessando um artigo exclusivo sobre custos fixos e variáveis de um restaurante? Até lá!

Leia Mais

iFood para restaurantes: confira as vantagens e desvantagens do app

Vivemos em uma sociedade cada vez mais conectada e, por esse motivo, a maior parte dos serviços e formas de consumo estão, aos poucos, se digitalizando. Com o mercado de delivery de comida, essa realidade não é diferente.

Os aplicativos de entrega de comidas estão conquistando um público que cresce diariamente. Tais apps são grandes aliados de gestores de restaurantes e empreendimentos gastronômicos, pois, oferecem maior visibilidade e praticidade na entrega de comidas, sem que isso acarrete grandes custos.

Nesse cenário, um dos aplicativos que mais se destaca é o iFood para restaurantes — e é dele que vamos falar neste artigo.

A seguir, acompanhe quais são as principais vantagens e desvantagens do app e entenda como ele poderá ajudar o seu negócio a prosperar. Preparado? Então continue acompanhando!

Quais são as vantagens do iFood para restaurantes?

Criado em 2011, por Felipe Fioravante e Patrick Sigrist, o iFood rapidamente conquistou seu lugar no mercado e hoje já marca presença em mais de 100 cidades no mundo, e já se tornou aliado de milhares de restaurantes e estabelecimentos mundo afora, especialmente no Brasil e na América Latina.

A plataforma oferece diversas vantagens para restaurantes e, na sequência, você poderá conferir quais são as principais delas:

Clientela satisfeita

Ao cadastrar o seu restaurante no iFood, seus clientes contarão com a facilidade de acessar e escolher itens do seu cardápio pelo computador ou pelo app, poupando-os de longas esperas pessoalmente ou via telefone e agilizando o processo de compra.

Desse modo, sua clientela poderá fazer pedidos aonde quer que estejam, com direito a navegação rápida, fluída e a receber seus pedidos sem o menor tipo de esforço ou deslocamento.

Facilidade para cadastro

O processo de cadastro na plataforma do iFood é rápido e simples. Basta fazer o download do aplicativo e fazer o cadastro do estabelecimento no site.

Feito isso, basta aguardar a análise da moderação e, dentro de poucos dias, seu restaurante já começará a aparecer nos resultados de buscas para os clientes.

Com isso, sua marca estará visível para um número muito maior de consumidores e suas chances de aumento de vendas crescerão exponencialmente.

Gerenciamento simplificado

O gerenciamento da sua conta online no iFood é extremamente simples, e você poderá realizar qualquer mudança ou atualização no menu de edição, de maneira ágil e com atualização em tempo real.

Com essa vantagem, você ficará livre da necessidade de edição, diagramação e impressão de novos cardápios sempre que surgir uma novidade ou alteração. Dessa maneira, fotos, cadastro de novos itens, novos pratos e atualizações de preços podem ser adicionados instantaneamente.

Diversidade de clientes em apenas um lugar

A base de clientes do iFood é uma das maiores do mundo, o que ajudará o seu restaurante a conquistar novos clientes e ser divulgado para um número enorme de potenciais consumidores.

Dessa maneira, dependendo do seu nicho de atuação no ramo alimentício, você poderá aumentar seu número de pedidos e vendas, sem necessariamente precisar ampliar sua estrutura física.

Publicidade facilitada

O uso da plataforma do iFood oferece, além de uma grande visibilidade de marca para a sua empresa e um fortalecimento de nome do mercado, uma grande economia com publicidade e divulgação.

Por esse motivo, você poderá diminuir seus gastos com divulgação online (como anúncios, campanhas nas redes sociais), ao mesmo tempo em que tem um maior número de vendas.

Vantagens operacionais

O sistema do iFood é extremamente ágil e completo. Como o cliente tem, na tela, todo o cardápio, detalhes dos pratos e preços, ele pode escolher tudo com total autonomia, sem que você precise contratar pessoas para o atendimento ou ocupar linhas telefônicas.

Além disso, por ser tudo realizado digitalmente, os casos de erros de pedido são mais escassos, bem como o número de devoluções, queixas ou desentendimentos.

E quais são as desvantagens do iFood?

Como tudo nesse mundo, o iFood também tem seus aspectos negativos e que, em alguns casos, desestimula empreendedores do ramo alimentício a utilizar a plataforma.

A seguir, listaremos alguns desses problemas e desvantagens. Confira!

Dependência da internet

Um dos primeiros pontos que pode gerar dificuldades no que refere-se à utilização do iFood é a sua completa dependência da internet. Logo, se o usuário está sem acesso ou com uma conexão de má qualidade, ele simplesmente não conseguirá realizar pedidos pelo app.

O mesmo vale para os estabelecimentos que precisarão sempre contar com uma conexão segura e estável, para que não haja problemas no recebimento de pedidos e eventual comunicação com os clientes.

No entanto, se você conta com uma boa conexão no seu restaurante, sua principal preocupação deverá ser apenas manter as fotos, preços, cardápio e perfil do negócio atualizados.

Padronização de layout

O aplicativo do iFood tem um layout comum para todos os restaurantes cadastrados, o que gera uma certa dificuldade de conquista de destaque na plataforma, uma vez que o nome da marca será o principal fator de diferenciação.

Para contornar esse problema, o ideal é investir em fotos boas dos produtos comercializados, em descrições atraentes e bem organizadas, além de um perfil bem articulado e atrativo para a clientela.

Comissão elevada

Provavelmente, um dos aspectos que mais desencoraja donos e gestores de restaurantes a incluir suas marcas no iFood é a porcentagem cobrada pela marca para manter os restaurantes cadastrados.

O valor cobrado varia entre 10% e 15% do valor de cada pedido, o que acarreta em duas possibilidades de resultado para os donos de restaurante: ou mantém o produto final com valor encarecido para o cliente ou perde-se um pouco no faturamento por quantidade, em prol da quantidade — o que é uma medida arriscada, haja vista que não existem garantias de que esta será uma estratégia eficaz.

Entretanto, embora existam outras possibilidades de aplicativos que cobram comissões menores, dificilmente qualquer um deles oferecerá a visibilidade de marca proporcionada pelo iFood.

Concorrência elevada

A concorrência entre restaurantes dentro do próprio aplicativo é outro fator que pode dificultar os bons resultados nas vendas. Isso ocorre porque o espaço é compartilhado por milhares de marcas, incluindo concorrentes diretos do mesmo segmento da sua atuação.

​Para enfrentar a concorrência, talvez seja preciso investir mais em publicidade para fortalecer o nome da sua marca ou pensar em reduzir os preços para tornar seu produto mais atraente em meio a tantos outros da mesma categoria.

Como todo investimento, cadastrar seu restaurante no iFood pode ser tanto arriscado quanto promissor. É preciso pensar bem nos objetivos que você tem para com o aplicativo e os resultados esperados. Com um pouco de planejamento tudo é possível certo?

Como você pode aumentar suas vendas por meio do iFood?

Agora que você já conhece os prós e os contras de cadastrar seu estabelecimento no iFood, é hora de conhecer algumas estratégias poderosas para conseguir ainda mais clientes e se diferenciar da concorrência. Confira!

Estruture seu serviço de delivery

Antes de mais nada, é fundamental que você estruture bem sua operação, antes mesmo de começar a receber pedidos. Aqui, é fundamental cobrir os seguintes pontos:

  • área de abrangência: você pretende limitar sua atuação ao entorno da sua base de operações, ou prefere já alcançar toda a cidade? É importante levar em consideração nessa escolha os custos envolvidos na entrega e como você pretende cobrar sua taxa de entrega: cobrará uma taxa variável de acordo com cada bairro ou uma taxa média fixa que cubra os custos gerais?
  • horário de atendimento: alguns empreendimentos recebem poucos pedidos de entrega durante a semana ou durante algum período do dia, e preferem focar seus esforços nos momentos de maior demanda e reduzir custos. Outras empresas, por outro lado, optam por oferecer o serviço de delivery em tempo integral, estando sempre à disposição de clientes em potencial;
  • equipe para entrega: à medida que a demanda pelos seus produtos aumenta, torna-se importante formar uma equipe dedicada ao atendimento dos clientes do delivery. Misturar as operações local e de entrega pode causar grandes transtornos, levando sua empresa a atender mal tanto seus clientes em casa quanto na loja.

Elabore material personalizado

Panfletos, folders, cartões e adesivos são excelentes formas de divulgar seus produtos e serviços, deixando sua marca visível para seu cliente, mesmo depois da refeição.

Imprima pequenos cardápios que possam estar sempre à mão e distribua-os com cada refeição. Também é interessante distribuir panfletos nas redondezas da sua base de operações.

Crie um programa de fidelidade

Um programa de recompensas baseado em compras pode aumentar em até 30% a recorrência de pedidos em seu estabelecimento. Pesquisas também indicam que não há diferença no retorno dos clientes, se você oferece um bônus a cada 5 ou 10 compras: o importante aqui é a promessa da recompensa.

Uma forma de chamar ainda mais atenção para seu programa de fidelidade é por meio de mensagens de texto personalizadas, nas quais você pode lembrar seus clientes de quanto falta para que ganhem sua recompensa.

Entretanto, é importante que você tenha em mãos os custos de produção atualizados dos seus produtos, garantindo assim que uma estratégia que deveria aumentar seus lucros, não acabe corroendo sua margem de ganhos por falta de um planejamento financeiro eficiente.

Tenha uma boa presença online

Hoje, não está fora de questão o impacto da internet no mundo e nos negócios, e se você deseja que seu empreendimento prospere, uma boa presença online é fundamental.

Embora Facebook e Instagram sejam essenciais, também é interessante criar um perfil de WhatsApp, por meio do qual você pode ter uma comunicação mais direta com seu público, anunciando promoções e descontos.

Para além das redes sociais, você pode criar uma página exclusiva para seu restaurante, na qual seus clientes poderão ter acesso à história e aos valores do seu negócio, assim como horários de funcionamento e mesmo uma cópia digital do seu cardápio.

Apesar das desvantagens, é possível perceber que o iFood para restaurantes é uma ótima ferramenta para aumentar suas vendas. Sendo assim, não deixe de investir nessa estratégia para otimizar o faturamento do seu negócio.

E então, está decidido a utilizar o iFood para restaurantes? Aproveite para curtir a nossa página do Facebook e ficar por dentro de muitos outros conteúdos como este!

Saiba também como você pode tornar seu atendimento um aliado das vendas em seu restaurante com o guia a seguir:

Leia Mais