Por que é importante mapear novos fornecedores? Saiba como fazer!

Já não é novidade que o seu estoque e o relacionamento com os seus parceiros influenciam todos os setores de um bar ou restaurante. Por isso, mapear novos fornecedores é uma maneira de evitar parcerias que deixam a desejar ou com empresas que venham a prejudicar o seu negócio, ou seja, leva à redução de custos e à melhoraria do seu atendimento.

Essa avaliação deve ser feita antes mesmo de fechar acordo ou contrato com o fornecedor. Isso porque oferecer produtos de má qualidade ou ter falta de compromisso com os prazos afeta o seu relacionamento com o cliente e pode significar prejuízo.

A seguir, entenda como fazer o mapeamento de fornecedores de maneira que possa gerar economia para o seu caixa.

Avalie a qualidade dos produtos

Bares e restaurantes precisam ter atenção especial em relação aos fornecedores por se tratar, principalmente, de alimentos perecíveis. Afinal, não se trata somente de oferecer um bom prato, mas também de saúde dos consumidores e conformidade com a Vigilância Sanitária.

O primeiro quesito a ser avaliado ao mapear novos fornecedores é a qualidade das mercadorias oferecidas. Uma dica é pedir amostras ou, se possível, visitar a empresa do possível parceiro.

Assim, poderá verificar a limpeza do local, se os produtos estão dentro do prazo de validade, se são de boa qualidade e procedência. Essa pesquisa poderá evitar diversos problemas no seu estabelecimento.

Invista na automação

Não há como fugir da automação do seu estabelecimento, principalmente se tratando de um comércio como restaurantes e bares. Além da agilidade no atendimento e da redução de custos e falhas, os softwares de gestão permitem administrar as suas parcerias.

Quando falamos de mapear novos fornecedores, ainda é comum encontrar gestores que fazem isso por meio de planilhas. Esse tipo de ferramenta já se tornou muito limitado para a complexidade e o grande fluxo de informações das empresas.

Um bom sistema permite cadastro dos fornecedores, elaboração de perfis e definição daqueles que melhor atendem aos prazos, por exemplo. Esses relatórios são fundamentais em compras de urgência e nos momentos de escolher o parceiro que melhor atende as suas necessidades.

Faça um cronograma de suprimentos

Adotar o hábito de fazer um cronograma de suprimentos também é parte importante quando for mapear novos fornecedores. Por meio dessa espécie de calendário, você consegue administrar melhor os seus pedidos, os parceiros e o seu estoque.

Uma dica é separar o seu cronograma por insumos ou serviços dos seus fornecedores. Assim, consegue administrar melhor as suas compras e não ter tantos impactos com produtos sazonais ou mais difíceis de conseguir, por exemplo.

Mapear novos fornecedores é uma estratégia que permite reduzir custos com parceiros que não cumprem prazos e ainda evitar prejuízos com produtos de má qualidade e que não chegam em bom estado. Afinal, toda a imagem do seu restaurante pode ser comprometida se a sua gestão de parceiros e suprimentos é falha.

Viu como o mapeamento pode ajudar na sua rotina? Agora, siga as nossas páginas nas redes sociais e acompanhe mais orientações de gestão. Esperamos você no Facebook, no LinkedIn, no Twitter e no canal do YouTube!

Leia Mais

Conheça as vantagens de deixar seu restaurante automatizado

Já pensou em oferecer uma experiência única, capaz de unir gastronomia e tecnologia par encantar os seus clientes? Pois, saiba que isso já é possível utilizando ferramentas de automação dentro do restaurante. 

Deixar o restaurante automatizado está intimamente relacionado à utilização de um sistema que automatiza a operação e a gestão focando em melhorar os resultados. Essas ferramentas permitem: um atendimento mais rápido e eficiente, redução de custos, integração com aplicativos de delivery, melhor controle de estoque, acompanhamento online, maior visão dos números e muito mais. Isso traz uma série de benefícios para o negócio. 

Quer saber quais são eles? Continue a leitura e descubra! 

Reduz o tempo com tarefas operacionais e burocráticas

Quando você automatiza o seu restaurante, é capaz de realizar uma série de tarefas operacionais e burocráticas rapidamente e com eficiência. Isso porque os softwares permitem que você gere notas fiscais, colete dados, crie uma comanda eletrônica e, até mesmo, um cardápio digital para o seu negócio. 

Com isso, os processos desde atender as mesas e registrar pedidos até o momento de enviar os relatórios contábeis são realizados de forma automática, reduzindo a necessidade de investimento de tempo nessas tarefas e aumentando a eficiência do negócio como um todo.

Diminui custos

Quando se fala em lucratividade, uma das melhores estratégias para aumentá-la é investir na redução de custos no seu restaurante. Automatizar o negócio faz com que isso seja possível. Em primeiro lugar, o seu negócio se torna mais produtivo, o que abre portas para que você enxugue a estrutura interna do restaurante, fazendo mais com menos recursos. 

Além disso, esse processo ainda permite que você otimize uma série de atividades e reduza o número de erros, retrabalhos e desperdício. Tudo isso também impacta diretamente a matriz de custos do restaurante, reduzindo os gastos do negócio. 

Melhora a gestão do restaurante 

Na era da informação, na qual o seu restaurante e toda a sociedade estão inseridos, os dados são a chave para uma gestão eficiente. Isso significa que quando você os transforma em informações úteis, por meio da análise de dados eficiente e relatórios gerenciais, é possível melhorar o seu entendimento sobre o negócio e identificar problemas e gargalos nos seus processos. 

A partir disso, você consegue entender quais são os erros em cada uma das atividades e criar planos de ação para corrigi-los. Além disso, também é possível utilizar esses relatórios para acompanhar o desempenho do restaurante como um todo e ainda embasar a tomada de decisão no negócio. 

Cria um diferencial competitivo para o seu restaurante 

Ao utilizar uma ferramenta que permite que você atenda os clientes, registre pedidos e emita notas fiscais, além de controlar todos os processos do restaurante, é possível criar um diferencial competitivo para o seu restaurante.

Isso porque você torna o negócio mais produtivo e eficiente, conseguindo focar no que realmente importa: a satisfação dos seus clientes. Dessa forma, você é capaz de investir mais recursos e energia na melhoria dos processos e em garantir a atração e retenção de mais consumidores para o seu restaurante. 

Como você pôde perceber, deixar seu restaurante automatizado pode trazer uma série de benefícios para o seu negócio. Portanto, aproveite para pesquisar sobre os sistemas de gestão disponíveis no mercado e encontre a melhor solução para o seu restaurante. 

Quer conhecer a nossa solução? Então entre em contato com a KCMS agora mesmo e converse com um dos nossos consultores! 

Leia Mais

Curva ABC, saiba como utilizar em seu negócio!

Você já conhece a curva ABC ou 80-20? Ela é uma ferramenta gerencial muito utilizada pelos gestores para classificar e agrupar os diferentes itens de acordo com sua importância para o desempenho de um negócio. É um método bastante empregado na gestão de estoque para sanar os problemas desse setor.

Também tem sido aplicado na gestão de vendas e marketing para identificar os clientes mais rentáveis para o seu restaurante. Mas como ela funciona? Qual a sua importância? Quer descobrir? Então, confira o post de hoje. Nele, você vai ver como a curva ABC pode ajudar na gestão do seu negócio. Acompanhe!

O que é e qual a importância da curva ABC?

A Curva ABC, baseada na teoria econômica de Pareto, é uma ferramenta de classificação de informações que separa os itens de maior relevância. Ela os divide em três grupos, representados pelas letras, de acordo com o valor de demanda ou valor de consumo. Mas, afinal, o que são essas letras, iremos ver no exemplo abaixo?

  • categoria A: 20% dos produtos ou clientes de maior importância que correspondem a 80% do faturamento;
  • categoria B: 30% dos produtos ou clientes de média importância que correspondem a 15% do faturamento;
  • categoria C: 50% dos produtos ou clientes de menor importância que correspondem a 5% do faturamento.

Existem inúmeras possibilidades que vão além da gestão de estoque e carteira de clientes, você também pode aplicar a curva ABC para identificar os processos e atividades mais relevantes para o negócio ou o percentual de participação de cada prato nas vendas.

Quando a curva ABC é aplicada no seu restaurante, você consegue dedicar melhor os seus recursos, proporcionando mais lucratividade para o seu negócio. Por exemplo, é possível diminuir os custos com compras desnecessárias, desperdícios e a falta de estoque.

Além de garantir que os produtos estejam sempre dentro do prazo de validade, divulgar os pratos mais vendidos, colocar em promoção os que têm menos saída e elaborar campanhas direcionadas para cada grupo da base de clientes. E aí, quer aprender a calcular a curva ABC? Confira a seguir!

Como usar a curva ABC no seu negócio?

Para facilitar o entendimento, vamos utilizar a curva ABC para a gestão de estoque. Uma maneira de montá-la é utilizando o Excel, então vamos lá. O primeiro passo é identificar todas as mercadorias estocadas, a quantidade de cada uma delas e o seu custo unitário.

Depois, calcule o valor total de cada mercadoria. Para tanto, basta multiplicar a quantidade de cada item pelo seu custo unitário. A seguir, estime o valor acumulado, que é a soma do valor total mais o valor do acumulado da linha anterior, com exceção da primeira mercadoria. 

Feito isso, reorganize os produtos, do maior para o menor, de acordo com o resultado. Então, já podemos transformar esses valores em porcentagens. Para isso, pegue o número total de cada mercadoria e divida pelo acumulado total. Assim, você vai obter a porcentagem de cada mercadoria.

O próximo passo é calcular o acumulado dessas porcentagens para começarmos a dividir os itens de acordo com as categorias A, B e C. Olhe a porcentagem acumulada, até qual item o valor se aproxima de 80%? Essas serão as mercadorias da categoria A.

Some esse valor com mais 15% e descubra as mercadorias da categoria B, o que sobrar pertence à C. Viu como é fácil de fazer? A partir desses dados, comece a fazer a análise para controlar melhor o seu estoque.

Como vimos, a curva ABC é uma ferramenta muito útil na gestão de qualquer negócio, não é? Então, que tal experimentá-la? Já existem diversos sistemas automatizados que ajudam com o cálculo, mas não é difícil fazer você mesmo com o auxílio de uma planilha.

E o que você faz para controlar a gestão de estoque do seu restaurante? Quer mais dicas boas como essa? Siga-nos nas redes sociais e acompanhe mais novidades. Estamos no LinkedIn, Facebook, Twitter e YouTube.

Leia Mais

Relatórios gerenciais: como usá-los para potencializar os resultados

Os relatórios gerenciais são documentos que descrevem os resultados e o desempenho da sua empresa no período avaliado. Muitas vezes ignorados pelos gestores, essa relação de performance é uma importante fonte de dados para facilitar as suas decisões e operações, inclusive aquelas para controle financeiro e satisfação dos clientes.

Tais documentos funcionam como indicadores que devem ser levados em consideração em qualquer mudança que for feita. Assim, terá soluções mais acertadas e tempo hábil para corrigir problemas, principalmente aqueles que geram prejuízo.

Conheça, a seguir, os principais relatórios gerenciais e veja como usar esses dados para potencializar os resultados do seu negócio.

Relatório de faturamento diário

O primeiro aspecto a ser avaliado em um negócio é sobre o faturamento, pois é preciso saber se há dinheiro entrando no seu caixa. Por isso, entre os principais relatórios gerenciais, destacamos o de faturamento diário.

Ao acompanhar esse indicador, poderá fazer comparações mês a mês, identificar tendências de vendas e os períodos de baixa. Assim, você terá informações para contornar os momentos de baixa demanda e não sofrer tanto desfalque no seu caixa.

Porém, é preciso lembrar que há situações em que empresas têm um bom faturamento, mas não tem lucro. Portanto, esses dois indicadores precisam ser avaliados juntos.

Relatório de vendas por produto

Conhecer o prato ou produto que tem maior quantidade de vendas possibilita o seu planejamento de estoque, para que ele não falte na sua cozinha, além de identificar aqueles com menor saída, de modo a focar as suas campanhas de marketing ou repensar o produto.

Ticket médio ou ticket conta

Você sabe qual é o valor médio que os clientes costumam gastar no seu restaurante? É exatamente essa informação que o ticket médio fornece. Conhecendo o valor médio de venda por consumidor, ou por conta, você consegue identificar preferências de compras, padrões de consumo e resultados das suas campanhas de marketing.

Por exemplo, se investiu dinheiro na campanha de um prato ou dia em especial, mas ele não teve tanta procura, é sinal de que a ação de divulgação não está sendo eficiente. Além disso, esse tipo de relatório gerencial permite identificar problemas no estoque, pois um produto que não tem boa saída certamente ficará sem giro.

Relatório de estoque

Falando em estoque, os relatórios gerenciais que fornecem dados sobre a sua reserva de produtos são fundamentais, não somente para o setor de suprimentos, mas para todo o funcionamento do estabelecimento.

A falta de mercadorias é sinal de prejuízo, mas o excesso também é. Então, esse documento auxilia no planejamento de compras, principalmente em alta temporada, como datas comemorativas, e na identificação de itens com baixa rotatividade. Desse modo, você possui tempo hábil para traçar estratégias que contornem os desperdícios.

Será inviável, para não dizer impossível, ter relatórios gerenciais atualizados e confiáveis sem a utilização de um bom sistema de gestão. É preciso gerenciar as entradas e saídas do estoque, fluxo de caixa diário e demais movimentações para cruzar esses dados e chegar aos resultados de desempenho de um relatório.

Se o seu restaurante ainda não conta com processos automatizados, entre em contato conosco e conheça as nossas soluções para ter relatórios gerenciais sempre disponíveis e atualizados!

Leia Mais

Queda do faturamento: descubra o que está prejudicando o seu negócio

A queda do faturamento é o primeiro indicativo de que o seu caixa está ou entrará no vermelho. Esse cenário difícil e extremamente prejudicial para o seu negócio deve ser constantemente monitorado para que estratégias de reversão sejam aplicadas em tempo hábil.

A diminuição do seu faturamento pode ocorrer por diversos motivos. Por isso, é preciso estudar e avaliar os setores e atividades para encontrar os problemas. Para ajudar na sua análise, selecionamos os principais cenários que levam à queda do faturamento.

Ausência de divulgação

Como os clientes podem ir até o seu restaurante se eles nem mesmo sabem da existência dele? Um dos erros extremamente graves, porém muito comum entre os gestores, é a decisão de deixar o marketing e a divulgação de lado por encararem como um gasto.

No entanto, há diversas maneiras de divulgar a sua empresa sem gastar valores consideráveis. As redes sociais, por exemplo, já se tornaram vitrines para negócios. Então, basta ter uma página bem gerenciada nas principais redes para divulgar o seu negócio. Lembre-se: o que não é visto não é conhecido!

Falta de comprometimento

Muitos dos problemas de gestão e da queda do faturamento podem ser evitados com uma equipe engajada e comprometida com as metas do restaurante. Entretanto, isso vale não só para os funcionários, como para o proprietário da empresa.

Para contornar, é preciso estar em constante aperfeiçoamento profissional, buscar por treinamentos atualizados e visitar feiras e eventos do seu ramo para ficar atualizado sobre as tendências do mercado de alimentação.

Invista também na qualificação dos seus colaboradores, que precisam de um ambiente de trabalho saudável e de contínuos treinamentos, principalmente para se manterem alinhados ao negócio da sua empresa.

Diminuição do ticket médio

O problema de queda do faturamento também pode ser resultado da diminuição do ticket médio dos clientes, pois isso significa que os consumidores estão comprando e consumindo menos no seu restaurante.

Se o problema for esse, é indicado que comece a divulgar produtos com venda casada, ou seja, combos, descontos e promoções. Contudo, é preciso identificar os produtos ou pratos que têm melhor saída para oferecer condições estratégicas.

Preços altos

Praticar valores muito abaixo daqueles de mercado pode ser um verdadeiro tiro no pé, considerando que isso pode ocasionar prejuízos nas vendas. No entanto, preços muito altos afastam completamente os clientes que estão sempre buscando por economia, sendo que o resultado disso é a queda do faturamento.

A melhor solução para esse tipo de desafio é fazer um bom estudo de mercado, avaliar os valores praticados pelos concorrentes e efetuar uma análise da sua margem de lucro. Assim consegue estabelecer preços viáveis para o seu caixa e para os clientes.

A queda no faturamento pode ser um problema em particular ou o resultado de vários cenários inadequados de gestão. Portanto, mantenha o monitoramento contínuo dos seus processos e nunca se esqueça de buscar melhorias.

Viu como alguns detalhes podem passar despercebidos e causar essa queda? Agora, aproveite para assinar a nossa newsletter e receber mais dicas e novidades.

Leia Mais

Como fazer a melhor estratégia de preço para fidelizar o cliente? Aprenda!

O que você leva em consideração na hora de precificar os seus produtos? Você sabia que promoções e preços reduzidos não são a única forma de fazer com que o seu negócio se destaque dos concorrentes?

De fato, existem algumas estratégias que podem ajudar o seu estabelecimento a atrair e fidelizar mais clientes, vendendo mais e potencializando os lucros do negócio. Quer saber como fazer isso? É o que veremos aqui!

Continue lendo e confira nossas dicas de ouro para colocar em prática a melhor estratégia de preço!

Entenda a psicologia dos preços

Na hora de precificar um produto, a maioria dos empreendedores leva em conta apenas os custos totais da produção e a margem de lucro desejada. Em alguns casos, até é utilizada uma pesquisa de mercado e a comparação de preços com a concorrência, para adequar o valor de venda.

Porém, existem outras estratégias que devem ser utilizadas nesse momento, para garantir um preço capaz de atrair e fidelizar os seus clientes. Uma delas é a psicologia dos preços.

Essa teoria tem como base o fato de que os preços têm efeito no desejo e na visão que os clientes têm do seu negócio. Isso vale inclusive para a disposição dos produtos dentro de um estabelecimento, ou seja, os preços que devem ser colocados próximos na loja ou no cardápio de um restaurante.

Entre os exemplos de aplicação dessa teoria, temos:

  • dígito esquerdo — precificar um produto com R$ 19,90, por exemplo, em vez de R$ 20,00, para dar a sensação de que ele é mais barato;
  • comparação de preços — colocar produtos próximos entre si com aumento de acordo com a sua qualidade. Em um restaurante, por exemplo, o prato mais completo deve ficar próximo do menos completo, para que o cliente entenda porque está pagando a mais;
  • valor agregado — o preço deve refletir o valor que o produto gera, não apenas os seus custos e o percentual do lucro desejado.

Crie um preço sazonal

A demanda pelos seus produtos pode variar de acordo com o dia da semana, ou mesmo com meses do ano. Então, por que os seus preços deveriam permanecer estáveis? Essa é a premissa do preço sazonal — outra estratégia de preço que pode atrair e fidelizar os clientes do seu negócio.

Basicamente, ela diz que você pode abaixar os preços em épocas nas quais um determinado produto tem menos saída, induzindo o seu consumo. Já quando ele é mais desejado, o seu preço pode ser mais alto, aumentando o seu lucro na venda.

Utilize o preço por volume

Sabemos que atrair clientes exige investimento, de energia e de recursos. Logo, quando ele entra no seu estabelecimento, o ideal é que ele consuma um volume alto de mercadorias, potencializando o retorno sobre esse investimento (ROI).

Para garantir isso, você pode utilizar o preço por volume. Essa estratégia está relacionada ao incentivo, por meio de descontos progressivos, para o consumo de um volume maior. No caso de empresas no ramo alimentício, por exemplo, podem ser oferecidos descontos para pratos que atendam a um grupo maior de pessoas — o que aumenta inclusive o número de potenciais clientes fidelizados a longo prazo.

Enfim, essas são algumas estratégias que podem ser utilizadas na precificação do seu negócio. Para escolher a melhor combinação, é fundamental que você entenda a sua realidade e busque o que melhor se adéqua a ela, potencializando os resultados positivos de uma precificação bem-feita.

Seja como for, a estratégia de preço faz parte do planejamento do negócio, como um todo. Então, se você gostou desta leitura e quer saber ainda mais sobre esse processo, aproveite para ler também sobre como investir em ferramentas de planejamento!

Leia Mais

3 dicas para o desenvolvimento de novos produtos em restaurantes

O desenvolvimento de novos produtos é uma opção de estratégia para diferenciar o seu cardápio e atrair os clientes com uma novidade e diferencial competitivo. No entanto, não basta criar um prato e colocá-lo no menu.

Antes, é preciso todo um estudo dos produtos e, principalmente, uma avaliação para entender as mudanças no perfil do consumidor. Assim, é possível oferecer algo de valor e fazer o seu planejamento de cardápio de acordo com as necessidades e preferências dos clientes.

Para orientá-lo sobre isso, entenda alguns passos necessários para planejar e elaborar um novo produto para o seu estabelecimento.

1. Entenda o que o seu consumidor procura

Antes de qualquer coisa, é preciso saber quais são as demandas do seu cliente e o que o seu público-alvo busca. Isso é necessário porque de nada adiantará criar um prato excelente se ele não tem a ver com o seu consumidor.

Para o desenvolvimento de novos produtos que venham a ser do interesse do seu público, é interessante buscar por lacunas no mercado, ou seja, preferências ou necessidades que ainda não foram preenchidas pelos seus concorrentes. Essa análise por ser feita por meio de pesquisas de satisfação de produtos ou por um bom estudo de mercado.

2. Analise a viabilidade dos produtos

Outro ponto que deve ser muito bem pensado durante o processo de desenvolvimento de novos produtos é a viabilidade das matérias-primas e ingredientes utilizados. Esse aspecto é fundamental considerando que influencia tanto no preço quanto na disponibilidade do prato.

Então, verifique se os alimentos selecionados têm o problema de sazonalidade, se os fornecedores conseguem os insumos ou se há algum fator que inviabiliza a compra do produto. Caso contrário, poderá ter problemas, como situações em que os consumidores pedem o novo produto, mas ele nunca está disponível por falta de ingredientes.

3. Faça testes de validação

Após estudar as preferências dos clientes e acesso aos ingredientes para o desenvolvimento de novos produtos, é o momento de fazer um teste de validação, que nada mais é do que colocar o prato disponível no cardápio.

No entanto, nesse primeiro momento, o ideal é colocar o novo produto com um valor mais baixo, pois além de ser um teste, ele precisa ter algum atrativo a mais para ser escolhido pelo cliente. Outra dica para essa validação é orientar os funcionários de atendimento a oferecerem o novo item. Para isso, é interessante dizer que é o novo prato do restaurante e informar quais são os ingredientes e diferenciais do produto de maneira bem atrativa.

Durante esse processo, perceba a aceitação e número de pedidos do novo item, e o mais importe: atente-se aos feedbacks, pois é a partir deles que você poderá fazer os ajustes necessários ou saber se o prato não teve resultado satisfatório.

O desenvolvimento de novos produtos pode ser feito sempre que você identificar alguma preferência do seu consumidor que não está sendo atendida. No entanto, é preciso cuidado para não trabalhar com um cardápio longo e carregado, mas sim com foco no ramo do seu negócio, pois isso afeta tanto o seu caixa quanto o atendimento.

Agora que já sabe como planejar um novo item no seu cardápio, compartilhe este post nas suas redes sociais e ajude outros gestores a entenderem sobre o assunto!

Leia Mais

Aprenda como gerenciar um restaurante com 5 dicas quentes

Você sabe como gerenciar um restaurante de forma eficiente? Essa é uma tarefa complexa, não é? Pois exige uma série de responsabilidades como gerenciamento de custos, negociação com os fornecedores, gestão de equipe e atendimento ao cliente.

Muitas vezes o proprietário do restaurante também é o próprio gerente do negócio e acaba focando na operação e não tendo tempo suficiente para a gestão. Saber lidar com tudo isso é essencial para um negócio sobreviver e crescer em um mercado cada vez mais competitivo.

Por isso, preparamos este artigo. Nele, você vai descobrir como melhorar as suas habilidades gerenciais com algumas dicas práticas. Confira!

1. Controle as finanças diariamente

Um dos maiores problemas enfrentados pelos gestores é a saúde financeira do restaurante. Para uma boa administração é essencial entender os dados sobre as receitas e despesas geradas. Pois é a partir dessas informações que você será capaz de saber como e onde gastar.

Então, para não se perder em meio a tantos números a dica é controlar as finanças diariamente. Para tanto, fique de olho nos desperdícios, horas extras e faltas, vendas diárias e pratos mais consumidos. Sempre compare as informações para identificar problemas e, assim, tomar as medidas necessárias.

2. Monte uma equipe qualificada

Os colaboradores são os seus maiores aliados. Por isso é importante contratar pessoas qualificadas. Por exemplo, quando contratar um caixa, não basta apenas que a pessoa tenha conhecimentos sobre números. O candidato ao cargo também deve ter empatia, saber e gostar de lidar com os clientes.

Além de escolher os colaboradores certos para o seu negócio, você saberá valorizá-los para manter a equipe motivada e empenhada. Para tanto, ofereça uma remuneração compatível com o cargo, cultive o espírito de equipe, preocupe com a segurança e saúde deles e invista em treinamentos.

3. Conheça as regras e legislação do setor

Quando se trata do setor alimentício, a legislação é um pouco mais rígida. Pois há uma série de cuidados que não podem ser negligenciados. Entender essas regras é fundamental para administrar bem um restaurante. Uma delas é a vigilância sanitária.

É ela quem aprova ou não o funcionamento do estabelecimento com base nas condições sanitárias. Também é interessante estar atento à legislação local, como a emissão de notas fiscais. Outro ponto são as leis trabalhistas. Segundo elas, os funcionários de restaurantes podem trabalhar aos domingos e feriados, mas é preciso montar uma escala de folga.

4. Invista no relacionamento com o cliente

Conquistar o seu cliente é fundamental para o sucesso do seu negócio. Com base nisso, como tem sido a experiência dele durante o atendimento? Você sabe o que ele tem a dizer? Ainda não? Então, faça uma pesquisa de satisfação em seu restaurante.

Avalie o atendimento, a qualidade dos pratos e o próprio ambiente. Descubra suas queixas e reclamações e proponha melhorias que aproximem o cliente do seu restaurante. Você pode ficar de olho na concorrência para ver o que eles estão fazendo para conquistá-los e você não.

5. Aposte na tecnologia

Um recurso que faz muita diferença no gerenciamento de restaurante é a tecnologia. Ela pode estar presente na execução de diversos processos. Por exemplo, você pode utilizar um sistema para melhorar o atendimento, gestão financeira, controle de estoque, realizar pedidos e emissão de cupons fiscais eletrônicos..

Outras ferramentas que podem te ajudar são cardápio digital interativo, comanda eletrônica, garçom eletrônico, PDV, terminal touchscreen e display para área de produção. Essas soluções permitem melhor controle dos pedidos, redução de desperdícios, atendimento mais rápido e mais controle sobre as vendas.

Administrar um restaurante é uma rotina intensa. Mas se você quer alcançar o sucesso tão desejado com o seu negócio, é importante entender como gerenciar um restaurante de maneira eficiente. Agora que você já conhece algumas práticas ficará muito mais fácil, é só colocar a mão na massa!

E aí, gostou das nossas dicas? Se quiser saber mais sobre gestão de restaurantes é só assinar a nossa newsletter. Você receberá mais novidades diretamente na sua caixa de entrada.

Leia Mais

Como funciona o James Delivery? Cadastro, taxas e pagamentos do novo app!

Depois do iFood, UberEats e Rappi; é a hora do GPA — Grupo Pão de Açúcar — entrar na onda do delivery. O James Delivery, startup curitibana adquirida pelo GPA, ainda é pequeno frente aos concorrentes, mas, com a força do grupo varejista tem se espalhado rapidamente pelo Brasil. Apenas em 2017, a empresa cresceu 800% e não deve parar por aí.

Se você também quer surfar nessa onda e impulsionar suas vendas com o James, que vamos apresentar como você pode cadastrar seu estabelecimento, quais as taxas cobradas pelo app e como funciona o pagamento do James Delivery.

Como funciona o James Delivery?

Para o usuário, o James é um aplicativo muito parecido com o iFood ou UberEars, disponível na Apple Store e Google Play.

James Delivery na Play Store

Você instala o aplicativo, cadastra seu dados, seleciona um estabelecimento e faz um pedido. A grande diferença é que o cliente pode pedir qualquer coisa na área de entregas do James, independente do estabelecimento e do produto está cadastrado na plataforma.

“Sabe aquela pipoca com manteiga que você só encontra no cinema? Fica tranquilo, meu app entrega. Sabe aqueles brinquedinhos sexuais que você está com vergonha de comprar lá no sexshop? Meus entregadores compram para você!”

No caso da imagem abaixo, por exemplo, eu tente encontrar uma “bateria 3v” aqui na região de entrega da KCMS.

Como o ítem não estava cadastrado no James, ele demonstrou estabelecimentos que provavelmente contariam com o ítem e disponibilizou um campo para que eu pudesse personalizar o pedido.

Nesse caso, um entregador do James, iria até o local e procuraria o produto como se fosse você.

Para o estabelecimento, o James também se diferencia por só realizar pedidos através da sua estrutura de delivery. Não existe a opção do seu negócio usar o próprio motoboy para realizar as entregas.

Como cadastrar meu estabelecimento no James?

Mesmo o app entregando qualquer coisa, inclusive os produtos da sua padaria, supermercado, bar, ou restaurante, ao cadastrar seu negócio no James, você garante mais visibilidade (consequente mais vendas) na plataforma, controle da identidade visual e taxas especiais.

Hoje, o James conta inclusive com um plano sem taxa para quem trabalha com delivery exclusivamente na ferramenta do Grupo Pão de Açúcar.

Cadastro de restaurante no James Delivery

Na aba estabelecimentos, existe um link para o formulário de cadastro. Após preencher os dados do seu restaurante, um consultor da James entra em contato para realizar seu cadastro.

Formulário de Cadastro no James Delivery

Importante ressaltar que, ao contrário dos outros aplicativos, o James cobra uma mensalidade do estabelecimento, cujo valor atual é de R$ 99,00 por mês

Quais as taxas do James Delivery?

A cobrança do James para o cliente é fracionada em três partes: valor do produto + taxa de serviço + taxa de entrega.

Sendo que a taxa de serviço é cobrada do cliente apenas quando o restaurante não é parceiro e corresponde a 14% do valor das mercadorias

Já a taxa de entrega, corresponde a R$ 5,39 de segunda a sexta e R$ 7,19 nos fins de semana mais um acréscimo por km rodado em entregas acima de 3 km.

Caso seu restaurante seja um parceiro James, ele paga a mensalidade de R$ 99 e, caso não seja um parceiro exclusivo, uma taxa de 10% sobre o valor da mercadoria.

Como receber pelas vendas no aplicativo de delivery?

O James recebe os pagamentos exclusivamente por cartão de crédito e o valor caí na conta do restaurante 30 dias depois da operação.

Já os entregadores recebem todas as quartas-feiras pelas corridas realizadas entre segunda e domingo da semana anterior.

Gostou dessa nova possibilidade para aumentar seus lucros com o delivery? Então você precisa conhecer nosso sistema completo para gerenciamento de delivery, clique agora no link e confira.

Leia Mais

Por que identificar o público-alvo do seu negócio?

Se você é empresário e trabalha na área de food service (restaurante, bar, lanchonete, padaria etc.), precisa ter em mente que o público-alvo do seu negócio deve ser um dos grandes focos da sua estratégia.

Na verdade, essa não é uma premissa apenas para o seu segmento: conhecer a sua clientela — e trabalhar de maneira direcionada a ela — é o segredo do sucesso de qualquer empresa. Afinal, ao saber quem são os seus clientes, o que preferem e, até mesmo, quanto estão dispostos a pagar, é possível voltar o seu estabelecimento totalmente para eles, desde o cardápio e o ambiente até os preços praticados.

Quer saber como traçar essas estratégias? Continue a leitura e prepare-se para implementar mudanças em seu negócio!

Como identificar o público-alvo do seu negócio?

Em poucas palavras, podemos definir o público-alvo como um grupo de pessoas que se identifica com a sua marca. No caso de um restaurante, bar ou lanchonete, por exemplo, não são apenas os clientes que já se alimentam em seu estabelecimento, mas todos aqueles que têm grande potencial para frequentar o local.

Há algum tempo, poucas informações, como sexo, faixa etária e profissão eram consideradas suficientes para definir o público-alvo. Mas, hoje, quanto mais dados melhor, tanto para especificar esse nicho quanto para se relacionar com ele.

Alguns fatores que podem ajudá-lo a identificar o seu público-alvo são:

  • a localização do seu negócio;
  • o horário de funcionamento, pois almoço e jantar atraem pessoas com interesses diferentes;
  • as opções de cardápio. Self-service, à la carte, lanchonete, bar noturno, entre outros, atraem perfis diferentes de clientes;
  • os seus preços e, consequentemente, o valor que seus fregueses estão dispostos a pagar.

Como esse direcionamento traz vantagens competitivas?

Aumento da clientela

Como dito, conhecer os desejos do seu público-alvo faz toda a diferença na hora de atrair aquelas pessoas que ainda não frequentam o seu estabelecimento.

Se, por exemplo, você possui um bar e percebeu que os seus clientes gostam de ver jogos com os amigos nas TVs do local, vai aumentar a sua clientela ao instalar mais e melhores aparelhos pelo ambiente.

Fidelização dos clientes

Outro benefício de compreender mais profundamente o seu público-alvo é poder oferecer exatamente o que ele procura, fidelizando-o.

Em um outro exemplo, se o seu restaurante ou padaria oferece almoço por quilo e você notou que isso atrai trabalhadores e estudantes da região (ou seja, pessoas que comem fora de casa todos os dias e precisam gastar menos), vale a pena criar um cartão fidelidade ou um desconto exclusivo, fazendo com que eles se alimentem ali com maior frequência.

Como um software de gestão pode ajudar?

Entre tantas vantagens que tem um software de gestão, está a possibilidade de identificar com maior precisão quem é o público que já frequenta o seu estabelecimento. Isso pode ser feito por meio de algumas informações bastante relevantes, que você vai ter na palma da mão, como:

  • valor médio do ticket: o que ajuda a esclarecer o valor gasto pela clientela;
  • produtos com mais saída: mostrando claramente as preferências do público;
  • tempo de permanência no local e horários de maior e menor movimento: esclarecendo alguns hábitos comportamentais valiosos.

Agora que você já entendeu como identificar o público-alvo do seu negócio de food service, com certeza vai ver o seu estabelecimento com outros olhos, buscando e enxergando boas possibilidades!

Aumente suas vendas melhorando seu atendimento

Que tal, então, contar com mais uma ajuda nessa missão? Siga a KCMS nas redes sociais e acompanhe os melhores conteúdos sobre gestão de negócios de varejo! Estamos no Facebook, YouTube e LinkedIn.

Leia Mais